“O trabalho é a essência do homem porra nenhuma. A atividade talvez seja, mas trabalhar, não” – Eduardo Viveiros de Castro

O crescente lugar que o trabalho ocupa na vida é objeto de reflexões as mais diversas. Se historicamente o dia do trabalhador, 1º de maio, está relacionado a um momento de luta por direitos trabalhistas, o seu sentido combativo parece ter se esvaziado na medida em que se torna um momento de celebração do próprio trabalho e do consumo. Assim, a programação da Vila Itororó Canteiro Aberto no último fim de semana de abril propõe atividades diversas e espaços de reflexão sobre o trabalho hoje, sem perder a dimensão prazerosa do estar e fazer junto. Partindo do próprio contexto da Vila, mas extrapolando-o, serão abordados temas como o trabalho invisível do artesão de restauro, as relações de trabalho em um canteiro de obras, o trabalho doméstico tornado público, a indústria da comida e seus desperdícios, as novas formas de exploração e os conceitos de trabalho, atividade e lazer para povos ameríndios.